Bolsonaro diz que foi obrigado a dar ‘graça’ a Daniel Silveira

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, neste domingo (26/6),...

AstraZeneca: validade estendida é eficaz e segura, diz professor da UFMG

Quem foi aos pontos de vacinação contra a COVID...

G7 anuncia que vai proibir importação do ouro russo

As quatro potências do G7 anunciaram, neste domingo, 26,...

Klara Castanho agradece apoio após revelar que foi estuprada e entregou bebê para adoção  

Klara Castanho usou suas redes sociais na manhã deste...

O que Kim Kardashian tem com ex-diretor do Louvre acusado de tráfico de obras

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O ex-presidente do museu do Louvre em Paris Jean-Luc Martinez é um dos investigados em um caso de tráfico de obras de arte egípcias. O processo foi revelado na semana passada, mas o que pouco se sabia eram as origens das investigações, que remetem à celebridade americana Kim Kardashian.

Isso porque as acusações contra Martinez derivaram de outra investigação que surgiu em um escritório da promotoria do distrito de Manhattan, em Nova York, que estava investigando o roubo de um anel antigo.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, o caso veio à tona após Kim Kardashian ser fotografada no Met Gala de 2018 –o festival ocorre no museu Metropolitan– ao lado do sarcófago de ouro de Nedjemankh, um sacerdote de alto escalão do deus egípcio com cabeça de carneiro. A socialite estava com um vestido dourado brilhante, no mesmo tom da peça funerária.

A foto na qual aparecia o caixão chegou ao promotor público assistente de Manhattan, Matthew Bogdanos, especialista em tráfico de antiguidades. Ele descobriu que o objeto, datado como provinente do século 1° a.C, foi vendido ao Metropolitan por cerca de US$ 4 milhões por meio de documentos falsos, em vez de ter sido exportado legalmente do Egito em 1971.

A investigação que se seguiu a esse caso investigou seis pessoas, incluindo Martinez, que dirigiu o museu do Louvre, em Paris, entre 2013 e 2021. Embaixador especial da França para a cooperação em patrimônio cultural, ele foi posto sob controle judicial.

“Aquela era uma rede de contrabando, embora muito bem organizada”, disse Bogdanos nesta semana ao Guardian. “Ela foi efetivamente desmantelada e agora estamos apenas recolhendo pessoas.” As últimas fases da investigação acontecem em meio ao aumento da atividade contra o tráfico internacional de antiguidades.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Klara Castanho agradece apoio após revelar que foi estuprada e entregou bebê para adoção  

Klara Castanho usou suas redes sociais na manhã deste domingo, 26, para agradecer o apoio de colegas de profissão após revelar que foi estuprada...

Conselho de Enfermagem de SP irá apurar conduta de profissionais no caso de Klara Castanho

O Conselho de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) informou que irá instaurar um procedimento para apurar a conduta dos enfermeiros que atenderam a atriz...
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com