Mulher mata marido asfixiado e chama a polícia para se entregar

Um homem de 51 anos foi morto asfixiado pela...

Protestos no Equador já duram mais de duas semanas e causaram mais de R$ 500 milhões em prejuízos

Os milhares de manifestantes indígenas que seguem mobilizados em...

Tropicalismo, parceria com Caetano e governo Lula: Relembre a carreira e os 80 anos de Gilberto de Gil

Neste domingo, 26, Gilberto Gil, completa 80 anos. Bom...

Marcus D’Almeida faz história e conquista medalha de ouro inédita no Mundial de Tiro com Arco

Marcus D’Almeida brilhou na manhã deste domingo, 26, ao...

MP do Rio realiza operação contra 11 policiais militares; R$ 253 mil são apreendidos

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O Ministério Público do Rio de Janeiro realizou nesta quinta, 26, uma operação contra 11 policiais militares, que foram acusados de extorsão, tortura, peculato e concussão – quando agente público tira vantagem do cargo para obter vantagens. A Corregedoria da Polícia Militar também participou da ação. A operação apreendeu R$ 253 mil em endereços ligados aos agentes, enquanto eram cumpridos 35 mandados de busca e apreensão. Outros objetos, como armas de fogo, carregadores, munições calibres 556 e 762, supressor de ruídos, granadas, canivete, camisas da Polícia Civil, balaclava, bloqueador de sinal, rádios transmissores, e comprimidos de entorpecente também foram levados.

Os agentes são suspeitos de torturar e extorquir criminosos, com a exigência de um pagamento em dinheiro para libertá-los. O grupo começou a ser investigado após a apreensão do celular de um policial na operação Gogue Magogue, realizada em agosto de 2020 contra um grupo miliciano que explorava o serviço de mototáxis na comunidade Asa Branca, em Jacarepaguá. Os dados extraídos apontaram que o dono do aparelho e outros policiais militares lotados no GAT (Grupamento de Ações Táticas), do 24º Batalhão da Polícia Militar, e na P2 (Seção de Inteligência da Polícia Militar) do 21º BPM, criaram uma organização para recolher dinheiro de “acertos” com traficantes. Quando o acerto não era realizado, os denunciados realizavam atos de violência, que chegavam até a homicídios.

Os policiais que foram presos são: Adelmo Guerini, que foi quem teve o celular apreendido, Mário Paiva Saraiva, Antonio Carlos dos Santos Alves, Marcelo Paulo dos Anjos Benício, Vitor Mayrinck e Oly do Socorro Biage Cei de Novaes. Os outros três não foram identificados. O comandante do BPM (Batalhão da Polícia Militar) de Duque de Caxias, o tenente-coronel André Araújo de Oliveira, e o capitão Anderson Orrico, chefe do serviço reservado do mesmo batalhão, tiveram mandados de busca e apreensão cumpridos contra eles e foram afastados – a casa de Orrico foi uma das que grande quantidade de dinheiro em espécie foi apreendida.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Gilmar Mendes testa positivo para Covid-19 e cancela participação presencial em Fórum Jurídico

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), testou positivo para o coronavírus (Covid-19) neste domingo, 26, em Portugal. Por conta disso, ele...

Klara Castanho: hospital abre sindicância para apurar vazamento de dados

O hospital em que Klara Castanho ficou internada, na Região Metropolitana de São Paulo, informou, por meio de nota, que vai abrir uma sindicância...

Vereador de Porto Alegre morre durante prova de natação em Fortaleza

O vereador Mauro Zacher (PDT), de Porto Alegre, morreu, aos 46 anos, durante uma prova de natação na manhã deste domingo, 26, em Fortaleza....
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com