Alexandre Ywata é o novo secretário especial de Produtividade

O novo secretário especial de Produtividade e Competitividade do...

Reforço do Cruzeiro, Luís Felipe revela ansiedade por estreia

O zagueiro Luis Felipe foi anunciado nesta quarta-feira (6)...

Violência armada nos EUA mata uma pessoa a cada 26 minutos

(FOLHAPRESS) - Um homem sacou uma arma nesta quarta-feira...

Vitória confirma a contratação do novo diretor Edgar Montemor

O Vitória confirmou a contratação do novo diretor...

Inflação aperta margem de lucro dos bares e restaurantes em Minas

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
A inflação no Brasil impactou na redução da margem de lucro de bares e restaurantes em Minas Gerais. De acordo com a Abrasel-MG, associação que representa o setor, 77% dos empresários entrevistados não conseguiram elevar seus preços acima da variação positiva no país, ao passo que apenas 6% obtiveram sucesso nos reajustes.
Ao mesmo tempo em que mantêm os preços competitivos, donos de bares e restaurantes acabam assumindo os “prejuízos” da inflação em razão do aumento do custo operacional. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) chegou a 1,06% em abril de 2022, o mais alto para o mês desde 1996. Já o acumulado nos últimos 12 meses é de 12,13%.
  • LEIA MAIS – BH já tem mais bares e restaurantes que antes da pandemia
 
Segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, 98% dos empresários que tiveram prejuízo em abril não conseguiram reajustar os preços. Entre os que reportaram lucro, o índice é de 67%. Por fim, 76% dos estabelecimentos em equilíbrio no mês passado mantiveram os valores de seus produtos.
“Esses números evidenciam o quão desafiador tem sido para o setor lidar com o rápido e intenso aumento da inflação. Por isso, para incentivar o consumo, os restaurantes estão segurando os preços, o que contribui para a inflação da alimentação fora do lar (0,62% em abril) ficar abaixo da de alimentos e bebidas (2,06%)”, afirma Matheus Daniel, presidente da Abrasel-MG.

O levantamento mostrou ainda que 37% dos entrevistados têm parcelas de crédito atrasadas. O número é menor entre os que foram contemplados pelo Pronampe (17%), linha de crédito do governo federal voltada para microempresas e empresas de pequeno porte.

A Abrasel realizou a pesquisa entre 4 e 16 de maio e contou com a participação de 235 empresários do setor.
 
*Estagiário sob supervisão do subeditor Rafael Arruda

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Dólar sobe para R$ 5,42 em dia de nervosismo no mercado financeiro

Em mais um dia de nervosismo no mercado financeiro, o dólar superou a barreira de R$ 5,40 e atingiu o maior nível desde o...

Leite dispara e fica mais caro que combustível

 De repente, consumidores se deparam com um cenário de apreensão e vivem novo drama ao observar as prateleiras dos supermercados e padarias. Com aumentos...

Produção de petróleo, em maio, é de 2,879 milhões de barris por dia

Em maio, a produção de petróleo no país atingiu cerca de 2,879 milhões de barris por dia (MMbbl/d) e 132 milhões de metros cúbicos...