Ana Marcela Cunha fecha patrocínio com a XP Investimentos visando Paris 2024

A baiana Ana Marcela Cunha tem um novo...

Em carreata, Jerônimo Rodrigues garante que vai ganhar no primeiro turno

O candidato ao governo da Bahia Jerônimo Rodrigues...

Mãe de Rodrigo Mussi lamenta “mudança do filho” e se defende

Mara Carvalho, mãe de Rodrigo Mussi, deu uma entrevista...

Lula nega “guerra santa” por votos: “Não faz parte da minha cultura”

Em entrevista nesta sexta-feira (19/8), em seu escritório de...

Dois em cada três brasileiros não voltam a ser clientes de empresas que tiveram dados vazados, diz pesquisa

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
hacker 1944688 1280

Dois a cada três brasileiros não voltariam a fazer negócio com uma companhia que tenha sofrido vazamento de dados. O levantamento de uma empresa especializada em proteção cibernética revelou ainda que 85% dos entrevistados não confiam naquelas empresas com histórico relacionados a esses tipos de incidentes. Outros 22,81% responderam que só seriam clientes novamente caso não tivessem outra opção. E apenas 3,99% disseram que retornariam a fazer normalmente.

Consuelo Rodrigues, membro da Associação Nacional de Profissionais de Privacidade de Dados, destaca a necessidade de haver transparência. “Nenhuma empresa está ilesa a um ataque. Mas o comportamento dela após um vazamento vai impactar na credibilidade dos seus consumidores ou clientes. Um exemplo, empresas que rapidamente detectam, comunicam e que assessoram as pessoas que foram impactadas num vazamento. A probabilidade da pessoa voltar, continuar confiando, é maior”, explica.

Outro dado relevante é que 74% das pessoas se sentem mais seguras em se cadastrar ou passar a ser cliente daquelas empresas que garantam a proteção. Quem quiser ampliar seu espaço no mercado terá que adotar medidas de segurança a fim de blindar os dados de seus consumidores. Emílio Simone, executivo chefe de segurança cibernética, destaca que todo cuidado é pouco porque, hoje em dia, há uma expressiva exposição. “Hoje, com a tecnologia, a gente tem muitos vetores e uma superfície de ataque muito grande. Tem serviços de rede de fraude, de compartilhamento de dados, é celular, é desktop, é tablet, então uma superfície de exposição é muito grande. O trabalho das empresas com relação à segurança acaba sendo muito maior. E qualquer deslize acaba causando vício problema de dados vazados”, diz.

Simone ressalta que o Brasil ainda tem muito a avançar. “Baseado no que a gente vê em outros países, onde qualquer indício de um incidente de segurança, tem um comunicado para os clientes, tem investigação, tem a confirmação, caso seja confirmado, tem a notificação, então o Brasil ele está um pouco atrás com relação a transparência. A gente não vê o mesmo posicionamento de empresas brasileiras que a gente tem visto no resto do mundo”, diz.

Os danos com os vazamentos são consideráveis. Consuelo Rodrigues enumera os prejuízos. “No Brasil, a média é US$ 1 milhão. A gente está falando de R$ 5 milhões. Porque não é só o valor e as vezes as informações que saíram. É todo o custo que envolve desde conter o vazamento, identificar e conter, toda a notificação que tem que ser feita, todos os técnicos envolvidos em comunicar pessoas que podem ter sido atingidas ou até órgãos reguladores e os custos pós, que podem ser principalmente custos de processos jurídicos”, diz ela.

O que chama atenção é que pouca gente fica sabendo que teve seus dados pessoais vazados. A pesquisa indica que apenas 12,15% tem ciência de que foram alvo, tendo suas informações expostas. Do percentual que revelou ficar a par do vazamento, 39,10% destacam ter descoberto através de tentativas de golpes; outros 20,86% receberam notificação da própria empresa; já 19,17% foram avisados ao realizar um login em alguma plataforma.

*Com informações do repórter Daniel Lian

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

‘São Paulo tem condições de caminhar com as próprias pernas’, diz Tarcísio

Candidato ao Governo de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos) considera o que Estado tem condições de “andar com as próprias pernas”. A afirmação aconteceu durante sabatina no Jornal...

Produtividade maior pode elevar PIB brasileiro em US$ 1 trilhão até 2027, diz Firjan

Um estudo da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) demonstrou o quanto o Brasil poderia crescer se investisse em reformas para aumentar a produtividade. Propostas...

Saiba o que muda para passageiros após os leilões dos aeroportos de Congonhas e Campo de Marte

Após a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) realizar um leilão de 15 aeroportos públicos espalhados por seis Estados brasileiros nesta quinta-feira, 18, foi definido os grupos que controlarão...