Bruno Reis pede que comissões da Câmara de Vereadores sejam reestabelecidas

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (União), voltou...

Farmácias do interior de Minas sofrem tentativas de ‘assalto pelo telefone’

O golpe do assalto pelo telefone provocou pânico na...

Bombardeio russo próximo à central nuclear de Zaporizhia deixa ao menos 13 mortos

Ao menos 13 civis morreram após um bombardeio na...

Record convida Arthur do Val para participar de ‘A Fazenda’

O ex-deputado estadual Arthur do Val, também conhecido como...

Coração de Maria: Justiça anula votos de sigla por uso de ‘candidaturas fictícias’ femininas

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A Justiça Eleitoral anulou, nesta segunda-feira (16), os votos do Cidadania nas eleições para a Câmara Municipal de Coração de Maria, no Portal do Sertão, cassando os mandatos dos vereadores do partido, Davilson da Silva Miranda e João Rios de Oliveira. De acordo com a decisão, a legenda utilizou “candidaturas fictícias” de mulheres.

 

A lei eletoral exige que pelo menos 30% das candidaturas de cada partido sejam do sexo feminino. Então, para cumprir, alguns partidos acabam se utilizando de manobras para cumprir a cláusula legal, como lançar candidatas de fachada, que sequer realizam campanha.

 

Segundo o juiz eleitoral Tardelli Boaventura, foi exatamente essa a manobra praticada pelo Cidadania em Coração de Maria, que lançou candidaturas fictícias de mulheres à Câmara, para simular o cumprimento da lei, o que configura fraude.

 

‘A fraude no caso dos autos é tão evidente, tão escancarada, que dispensa maiores delongas”, afirmou Boaventura.

 

“As candidatas CAROLINE SANTOS ARAÚJO e JOSILDA LOPES DA SILVA, indicadas claramente para preencher a cota de 30% das candidaturas do sexo feminino, não prestaram contas dos recursos de campanha (ao que tudo indica, não receberam nem 1 real do partido), não confeccionaram 1 santinho, 1 adesivo, não fizeram 1 postagem de suas candidaturas nas redes sociais, ninguém as viu participando de campanhas. E o mais escandaloso: não tiveram um voto sequer, nem mesmo o delas!”, relatou o magistrado.

 

Além de decidir pela anulação dos votos do Cidadania e a cassação dos dois vereadores do partido, Boaventura também estabeleceu uma inelegibilidade de oito anos, contados a partir das eleições de 2020, para as duas candidatas fictícias: Caroline Santos Araújo e Josilda Lopes da Silva.

 

A ação foi movida pelo PSD, representado pelo advogado Odilon Santos. Pelo menos uma das vagas abertas pelas cassações deve ir para um candidato do partido, o ex-vereador Pedro Mário (PSD).

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Improbidade volta a ser discutida no STF

A discussão em torno da nova Lei de Improbidade Administrativa volta a ser pautada no Supremo Tribunal Federal, atraindo os olhares do mundo político.    De acordo com o portal...

Tributo em Pauta: Caracterização da locação de bens para fins do ISSQN

  A não incidência de impostos (ICMS ou ISSQN) sobre as operações de locação de bens móveis é um lugar comum na tributação brasileira. Quanto ao ISSQN, os Municípios...

TRT-BA anula justa causa do GBarbosa por não despedir empacotadora imediatamente

O Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA) anulou a justa causa de uma empacotadora do GBarbosa, por entender que a penalidade deveria ter sido aplicada de forma...