Urnas: o que é e como funciona a fiscalização do código-fonte

Investigado por: Correio Braziliense e Jornal Plural Comprova Explica: O...

Homem sofre queimaduras ao encostar em fios de alta tensão de antigo motel

Um homem de 30 anos sofreu várias queimaduras no...

Adolescentes criam mosaico gigante da bandeira ucraniana para ajudar o país

Adolescentes norte-americanos e moradores de Chicago criaram um mosaico...

Carolina Dieckmann retorna o Brasil para participar de novela da Globo: ‘Vou passar um ano’

A atriz Carolina Dieckmann, 43, retornará à televisão na...

Cientistas descobrem por que adolescentes parecem não escutar voz dos pais

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

À medida que crescem, os adolescentes parecem perder cada vez mais o interesse pelas conversas familiares, deixando de responder as interações com os pais. Um novo estudo feito por cientistas da Universidade de Stanford, na Califórnia, mostra que esse desinteresse não é intencional e sim uma adaptação do cérebro.

 

Segundo o portal Metrópoles, parceiro do BN, a pesquisa, publicada no fim de abril no Journal of Neuroscience, analisou imagens dos cérebros de crianças e adolescentes enquanto eles ouviam uma gravação da voz de sua mãe dizendo três palavras sem sentido e outra com a voz de um estranho dizendo a mesma coisa.

 

Os pesquisadores observaram que quando as crianças mais novas – de até 12 anos – ouvem a voz da mãe, as regiões cerebrais de processamento de recompensa têm uma resposta maior em comparação com quando ouvem vozes não familiares e desconhecidas.

 

No entanto, essa reação muda a partir dos 13 anos, independentemente do sexo. “Surpreendentemente, os adolescentes mais velhos mostram o efeito oposto, com maior atividade para a voz não familiar em comparação com a voz da mãe”, afirmam.

 

O mesmo aconteceu com o córtex pré-frontal ventromedial, que é a parte do cérebro que ajuda a determinar qual informação social é mais valiosa. Isso ocorre como um sinal de que o cérebro está amadurecendo e desenvolvendo habilidades sociais. Agora, as vozes dos amigos e pessoas do seu convívio social despertam maior interesse.

 

“Quando adolescente, você não sabe que está fazendo isso. Você está apenas sendo você: tem seus amigos e quer passar tempo com eles. Sua mente está cada vez mais sensível e atraída por eles”, explica o pesquisador Daniel Abrams, um dos autores do estudo.

 

O neurocientista Vinod Menon, do mesmo grupo de pesquisa, também sai em defesa dos adolescentes. “Quando eles parecem estar se rebelando por não ouvirem seus pais, é porque estão programados para prestar mais atenção às vozes fora de casa”, diz.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jequié: PM apreende cerca de 130 quilos de maconha em bagageiro de ônibus turístico

128 tabletes de maconha foram apreendidos na noite deste domingo (14), na Avenida Otávio Mangabeira, no município de Jequié. O flagrante foi realizado por equipes do 19º Batalhão...

DF tem 116 casos confirmados de monkeypox, aponta Secretaria de Saúde

O Distrito Federal tem 116 casos confirmados de monkeypox e 127 suspeitos. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (15/8), pela Secretaria de Saúde do DF. Outros 154 pacientes tiveram...

Urnas: o que é e como funciona a fiscalização do código-fonte

Investigado por: Correio Braziliense e Jornal Plural Comprova Explica: O código-fonte das urnas eletrônicas é a linguagem de computador em que os aparelhos são programados. Para garantir que não haja...