Rayssa Leal vence etapa de Seattle no Mundial de Skate Street; Pâmela Rosa fica no 2º lugar 

O Brasil conseguiu uma “dobradinha” na etapa de Seattle...

Tom Holland anuncia afastamento das redes sociais para cuidar da saúde mental

Tom Holland anunciou que irá ficar um tempo...

Baile Favellê reúne 25 artistas em apresentação exclusiva em Salvador 

Vinte e cinco artistas que integram o selo Favellê...

Filhote de baleia jubarte é encontrado morto na Praia de Ipitanga

Equipe do Projeto Baleia Jubarte esteve no...

Gestante entrou bem e saiu morta de hospital em Ilhéus

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Iasmin Ingrid Barbosa (25 anos) estava internada em coma induzido no Hospital do Cacau, desde o último dia 13 de janeiro após ser transferida da Maternidade Dr. Joaquim Sampaio, de Ilhéus.

A jovem teve complicações no parto, e, de acordo com nota da maternidade, foi inicialmente diagnosticada com pneumonia. A causa do óbito, no entanto, não foi revelada pelo Hospital Costa do Cacau.

A família acusa a maternidade de não ter atendido a gestante da maneira adequada. Em 8 de janeiro, após entrar em trabalho de parto, a moça teria ficado horas aguardando a realização do procedimento. Devido à demora, o bebê expeliu mecônio (fezes) na barriga da mãe. A criança sobreviveu.

RELATOS DE UMA TESTEMUNHA:

companheira de Iasmin há 9 anos, Alana Silva, acompanhou a gestante e, destaca alguns acontecimentos ocorridos durante o parto.

  1. No sábado (8 de janeiro), o sofrimento de Iasmin começou 5 horas antes dela entrar na sala de parto da maternidade.

2. Às 18h, quando perceberam que a bolsa amniótica estourou, Alana avisou às enfermeiras de plantão. Uma médica foi chamada e disse que a situação era “normal”, recomendando que a paciente, com muitas dores, dançasse. A companheira de Iasmin disse que enfermeiras pediram para que ela “fizesse força” em momentos aleatórios.

3. Às 23h, quando Iasmin entrou na sala de parto para a realização de uma cesárea, Alana percebeu falta de cuidado da equipe médica para evitar a contaminação do ambiente, indispensável em qualquer unidade de saúde.

4. Segundo seu relato, nenhum profissional pediu para que acompanhante lavasse as mãos. Um piercing no nariz de Iasmin também não foi retirado ou higienizado (fato que, posteriormente, foi criticado por uma enfermeira da própria maternidade). Iasmin também permaneceu com um esmalte de cor vermelha (de acordo com especialistas, cores escuras podem interferir no monitoramento de oxigênio do paciente).

5. O médico que realizou o parto “tremeu mais que vara verde”. Iasmin, que estava parcialmente anestesiada durante o procedimento, percebeu o nervosismo do profissional . “Ele tá tremendo muito”, disse com tom de preocupação para a companheira.

6. Iasmin ficou “muito tempo aberta”, com um órgão exposto. Uma sonda inserida a machucou, fato confirmado depois por um enfermeiro. “Na bolsa da sonda tinha sangue”.

7. Uma enfermeira olhava a realização do procedimento de maneira negativa. A mesma profissional teria questionado o médico, naquele momento, se ele não iria aplicar um remédio “para regular o intestino” da paciente. O médico teria reagido com surpresa. “Ãnh?! É mesmo! Prepara aí pra mim”, relata.

8. Nenhuma limpeza foi feita em Iasmin. Segundo Alana, uma enfermeira recomendou para uma colega “ficar de olho na paciente”. Esse pedido levantou a suspeita de que algo errado aconteceu durante o parto.

9. Iasmin foi colocada em um quarto muito frio, onde o ar condicionado ficava sempre em 18 °C (a ponto de resfriar a acompanhante). Alana conta ainda que a “pirraçaram” quando ela pediu para aumentar a temperatura.

10. Iasmin, ainda consciente, implorou para que a mãe a retirasse da maternidade. “Mamãe, me tira daqui, eu quero ir pra casa”, disse.

11. Após a mãe afirmar que estava disposta a assinar um termo de responsabilidade para a remoção, uma pediatra analisou o prontuário de Iasmin e disse olhando firmemente em seus olhos: “Eu vou ser bem sincera. Se você tirar a sua filha daqui ela vai morrer”.

Iasmin foi transferida para o Costa do Cacau com diagnóstico de pneumonia. A família, que até a manhã de hoje não sabia a causa do óbito, disse que também teve problemas com o atendimento do segundo hospital.

A companheira conta que vários diagnósticos foram passados, de maneira confusa, aos familiares: problemas nos rins, anemia, sepse e alteração cerebral. “Ela não tinha nada, saiu de casa bem de saúde para dar à luz”, lamenta Alana.

Como Iasmin só tomou a primeira dose da vacina contra a Covid-19, e chegou na maternidade com tosse leve, a família desconfia que a causa da morte atestada será Covid-19, ou síndrome respiratória aguda grave, para esconder o “péssimo” atendimento prestado pela maternidade.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Mãe e bebê morrem durante parto por falta de socorro

O caso aconteceu na noite desta sexta-feira (23), em São Miguel das Matas, no Recôncavo Baiano. Segundo a Polícia Civil, a mulher começou a ter convulsões durante o nascimento do...

Mãe e bebê morrem durante parto na UMMI de Teixeira de Freitas

Nicoly das Virgens Pereira (19 anos) estava grávida de 41 semanas e três dias. Morava em São José de Vereda (Piau), no município de Vereda. No último sábado (17)...

Parto está entre metade dos erros médicos no país

Pesquisa realizada pela Associação das Vítimas de Erros Médicos, que funciona em São Paulo há oito anos, registra quase 50% dos casos com relação direta com complicações durante o...