Cancelamentos e atrasos de voos afetam aeroportos internacionais

Vários aeroportos internacionais, entre eles os de Madri, Londres,...

SAJ: Casos ativos de Covid explodem após festejos juninos e aumentam mais de 1,6 mil%

Os números de Covid-19 em Santo Antônio de...

Com número insuficiente de clubes, Copa Estado não será realizada em 2022

A Copa Estado não será realizada na temporada...

Bolsonaro sobe 1 ponto, e Lula desce 1, aponta Quaest

Jair Bolsonaro oscilou um ponto percentual para cima, chegando...

Gasolina custaria R$4,40 sem PPI. Mas o que é isso, você sabe?

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Nesta quinta-feira (25), motoristas e entregadores de aplicativos compraram gasolina à R$ 4,40, em cinco cidades localizadas nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Amazonas. Os municípios de Angra dos Reis, São José dos Campos, Santos, Caraguatatuba e Manaus foram contemplados na ação.

12 mil litros de gasolina foram vendidos aos trabalhadores de aplicativo, com preço cerca de 35% menor.

A ação foi realizada pelo Observatório Social da Petrobrás (OSP) e a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), chamada de “Dia Nacional da Gasolina sem PPI”.

O objetivo foi chamar a atenção da população para o Preço de Paridade de Importação (PPI), que alinha os preços de produtos aos do mercado internacional, numa política implementada, em 2016, no governo de Michel Temer.

Cinco anos depois, os combustíveis vendidos no Brasil acumulam uma alta muito acima da inflação. Segundo o secretário geral da Federação dos Petroleiros, Adaedson Costa, o PPI é o vilão dos preços altos. “Hoje, produzimos cerca de 80% de todo combustível consumido no Brasil e importamos 20%. Mas, em função do PPI, 100% do combustível é tratado como se fosse importado. Ele é o maior vilão dos preços altos, e não os impostos estaduais”, afirma o dirigente.

Levantamento do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (IBEPS) mostra que a gasolina poderia ser vendida nas bombas do país a R$ 4,40, não fosse o Preço de Paridade de Importação. A análise foi feita com base nos custos reais de produção nacional, mantendo o lucro das distribuidoras, revendedoras e da Petrobras.

No período de cinco anos, a gasolina registrou aumento real (considerando a inflação) de 39%, com reajuste nominal (sem ajuste da inflação) de 79%. O litro do diesel S-10 superou a inflação em 28,7% e teve crescimento nominal de 60%. Já o gás de cozinha foi o recordista, com uma alta real de 48% acima da inflação e 84% em termos nominais. Acionistas da Petrobrás estão rindo à toa, com lucros bilionários.

Preço de produto importado: Se a grande parte da gasolina e do diesel vendidos no Brasil são produzidos no próprios país, como pagar por esses produtos, como se viessem de outro país?

O PPI se baseia nos custos de importação, que incluem transporte e taxas portuárias como principais referências para o cálculo dos combustíveis, criando preços fictícios para o consumidor brasileiro. Dessa forma, a variação do dólar e do barril de petróleo tem influência direta no cálculo dos combustíveis.

É por conta desse modelo de precificação que a gasolina, o diesel e o gás de cozinha vêm sofrendo aumentos consecutivos.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

R$ 55 milhões! Mega-Sena sorteia hoje (6/7) concurso 2498

A Caixa sorteia nesta quarta-feira (6/7), às 20h, o concurso 2498 da Mega-Sena, com prêmio estimado em R$ 55 milhões ao apostador que acertar...

Senac oferece vagas para cursos profissionalizantes no Rio de Janeiro

O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio de Janeiro (Senac RJ) está com inscrições abertas para cerca de 8 mil vagas em cursos profissionalizantes em várias...

Região da Rua 25 de Março recebe obra em homenagem à imigração árabe

Será inaugurada hoje (5), às 18h30, uma obra de arte urbana em homenagem à imigração árabe na região da Rua 25 de Março, no...