Três meses após crime, suspeito de assassinato é preso no Leste de Minas

Integrantes da Força Tarefa de Segurança Pública (FTSP), coordenada...

Dorival Jr. freia empolgação e pede Flamengo focado em todas as competições: ‘Não podemos abrir mão’

O Flamengo não teve dificuldade para ganhar mais uma...

Vento em São Paulo derruba árvores, interrompe feira de aviação e deixa ao menos dois feridos

Ventos de até 74 km/h atingiram a cidade de...

Maioria do STF aprova reajuste de 18% do salário de ministros e servidores

Sete ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votaram nesta...

Paulinho de Tixa é absolvido pelo Tribunal de Justiça da Bahia no caso coconut

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo
Reviravolta no caso coconut, que apurava crime de responsabilidade do ex-prefeito de Mucuri, Paulo Alexandre Matos Griffo (PSB), absolvido do processo que o acusava de desvios de verba pública, a partir da contratação de um funcionário fantasma.
Em decisão desta quarta-feira (24), o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) desconsiderou um acórdão que mantinha uma condenação contra ‘Paulinho de Tixa’, como é mais conhecido.
O ex-prefeito foi acusado pelo Ministério Público do Estado (MP/BA) de contratar um funcionário [Jailson Fontoura da Conceição] tido como “fantasma” entre junho de 2011 e fevereiro de 2012, resultando no gasto de R$13.679,25. Relator do caso no TJ/BA, o desembargador Eserval Rocha considerou os argumentos técnicos da defesa do ex-gestor.
O caso foi denominado de Coconut, já que Jailson da Conceição é conhecido por vender coco. Ele também foi absolvido do caso. Paulinho de Tixa tentou voltar à prefeitura ano passado, mas perdeu a eleição para Robertinho (DEM).
IMORAL, MAS LEGAL: Segundo Rocha, a condenação sofrida por Griffo, no caso por peculato [apropriação de bem ou renda pública por furto ou desvio], não se aplica ao caso. O magistrado considerou que o pagamento de remuneração em si ao funcionário, que não prestou o serviço, “não consiste em desvio de verba pública, dado que o salário é uma obrigação legal e, portanto, é devido”.
Eserval Rocha ainda pontou que Griffo não foi condenado por desvio de verba, mas por ter “sido conivente com uma remuneração sem contrapartida do servidor contratado, de sorte que, nos termos da jurisprudência do STJ, esse comportamento, apesar de imoral, não é penalmente típico”, diz trecho da sentença.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Suzano emite nota lamentando morte de família em acidente com ônibus à serviço da empresa

A Suzano S/A emitiu nota sobre o ocorrido, lamentando "profundamente o acidente de trânsito ocorrido nesta segunda-feira (11), em Mucuri (BA), envolvendo dois veículos e um ônibus da sua...

Identificadas as quatro vítimas do acidente envolvendo ônibus com trabalhadores da Suzano em Mucuri

Um grave acidente envolvendo dois carros de passeio e um ônibus matou quatro pessoas da mesma família no final da tarde desta segunda-feira (11), na BA-698, que liga a...

Quatro mortos em acidente com carro de passeio e ônibus com trabalhadores da Suzano

Esse caso trágico aconteceu no final da tarde desta segunda-feira (11), na BA-698, no trecho entre a BR-101 e a cidade de Mucuri, no extremo sul da Bahia. O acidente...