Membro da organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio é preso por suposto suborno

Integrante da direção do Comitê Organizador Local dos Jogos...

Comércio físico registra queda em julho após duas altas consecutivas

As vendas do comércio físico caíram no mês de...

Criminosos se disfarçam de moradores de rua em bairro do Centro de São Paulo

Criminosos disfarçados de moradores de rua roubam bateria de...

‘Quando houver confronto, que morra o bandido, não o policial’, afirma Rodrigo Garcia

O governador de São Paulo e candidato à reeleição,...

Conselheiro da OAB defende prerrogativas em ato de desagravo a advogado agredido por policiais

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

“As prerrogativas são inegociáveis. São indispensáveis ao exercício da profissão e têm como finalidade garantir ao cidadão uma defesa independente e sem qualquer temor”, afirmou o conselheiro federal da OAB, Fabrício Castro, ao participar do ato de desagravo ao advogado Adailton Ferreira Porto Sobrinho, agredido física e verbalmente, no exercício da profissão, por policiais militares. A sessão aconteceu na sexta-feira (13), na Câmara Municipal de Livramento de Nossa Senhora, cidade onde ocorreu o caso.

O conselheiro federal repudiou a violência policial contra o colega advogado e classificou o episódio como “inaceitável”. “Uma covardia. Por isso, o desagravamos. A OAB-BA tem a defesa das prerrogativas como uma prioridade.”, ressaltou Fabrício Castro. Na sessão, estiveram presentes o conselheiro seccional Acioli Viana Silva, responsável pela redação do voto de desagravo, o presidente do Conselho Consultivo da Jovem Advocacia, Hermes Hilarião, e o presidente da subseção de Brumado, Osvaldo Luiz Laranjeira Bastos Junior.

conselheiro federal da OAB Fabrício CastroAgressão policial: No dia 21 de janeiro deste ano, o advogado Adailton Ferreira Porto Sobrinho foi chamado por um cliente, que, acompanhado da esposa, teve o carro atingido por uma viatura da Polícia Militar, em alta velocidade, na cidade de Livramento de Nossa Senhora. O casal também foi xingado pelos agentes.

No local do acidente, o advogado tentou solucionar amigavelmente a situação. Sem êxito, ele disse aos policiais que faria uma ocorrência na delegacia. Nesse momento, os agentes iniciaram as agressões ao cliente e ao advogado. Ao se identificar como profissional do Direito, Adailton foi xingado e recebeu um tapa no braço, forte o suficiente para lançar ao chão a carteira da Ordem.

O advogado então retirou o celular do bolso para registrar os abusos, mas as agressões continuaram. “Corra e não olhe para trás, senão eu te mato”, disse um dos PMs, após Adailton Ferreira Porto Sobrinho receber um soco no olho e ter uma arma apontada para o rosto.

.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Idoso de 75 anos é preso após ser flagrado com armas e munição em ônibus na BR-324

Um idoso de 75 anos foi preso após ser flagrado com um revólver calibre 38 e mais seis munições intactas dentro de um ônibus que trafegava na BR-324, na manhã...

Orai, irmãos da igreja rubro-negra: muita fé que o Vitória vai subir

Emissários do Vaticano, obreiros das pentecostais e até ogãs dos terreiros mais atuantes estão escalados pelo Papa Francisco, bispos alternativos, ialorixás e babalorixás para conhecer a religião mais...

Presa falsa vidente que deu golpe de R$ 725 milhões em idosa

A polícia do Rio de Janeiro prendeu, nesta terça-feira (16), a falsa vidente Diana Rosa Stanesco, de 37 anos, suspeita de participar de um golpe estimado em R$...