Com suspeita de lesão na coxa, Rodrigão é dúvida no Vitória para enfrentar o São José-RS

O atacante Rodrigão é dúvida no Vitória para...

Paraná Pesquisas/ BN: Na Bahia, Lula tem 49,8% dos votos e Bolsonaro 26,5%

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)...

Após o DF, João Pessoa, Porto Alegre, SP e BH vão receber 5G

O Distrito Federal vai servir de piloto para a...

Timemania 1804 sorteia hoje (5/7) R$ 43 milhões

A Caixa sorteia nesta terça-feira (5/7), às 20h, a...

Lídice da Mata quer limitar reajuste de preços administrados pelo governo

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) apresentou esta semana um novo projeto de lei para limitar o reajuste de preços ao consumidor de bens e serviços controlados pelo governo ou suas agências reguladoras, como por exemplo combustíveis, medicamentos e energia elétrica, entre outros. A iniciativa prevê que nenhum serviço controlado pelo governo tenha reajuste anual maior do que a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), acumulado nos doze meses que antecedem ao reajuste. Numa eventual ausência do IPCA, poderá ser utilizado o índice que vier a sucedê-lo.

Em sua justificativa, a parlamentar baiana demonstra preocupação com o aumento de preços de diversos produtos e serviços essenciais à população brasileira, e que hoje seguem parâmetros distintos de reajuste. Como exemplo, Lídice da Mata lembra que enquanto o próprio IPCA, que serve de parâmetro para a política monetária do Banco Central, acumulou alta de 2,95% em 2017, alguns preços administrados somaram 7,99% de reajuste no mesmo período. Somente este ano, no acumulado de janeiro a maio, enquanto o IPCA variou 1,33%, alguns preços foram reajustados em 2,98%. A inflação geral, por sua vez, considerando os doze meses até maio deste ano, registrou índice de 2,86% enquanto preços administrados chegaram a reajuste de 8,14%.

“Precisamos coibir essa distorção e garantir à população que preços administrados pelo governo não excedam à inflação medida por índice utilizado pelo próprio governo”, disse a senadora. Para ela, esta é uma regra simples e que, ao ser aprovada, deverá ser eficaz para garantir que as autoridades públicas favoreçam apenas aos interesses da maioria da população”.

Relatório Focus divulgado na segunda-feira (11/06) aponta elevação na previsão de preços administrados este ano: a média saltou de 5,60% para 6,00%. Para 2019, a mediana está projetada com elevação de 4,50%. Há um mês, o mercado projetava aumento de 5,20% para os preços administrados neste ano e elevação de 4,44% no próximo ano. Esses dados atestam a importância da medida proposta pela senadora. Segundo o Banco Central, a projeção para os preços administrados indicam elevações de 5,7% em 2018 e 4,2% em 2019, conforme porcentuais atualizados na ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom).

Serviços e bens com valores reajustados acima do IPCA impactam diretamente a economia. A inflação medida pelo IPCA em maio fechou com alta de 0,40%, o dobro de abril (0,22%), pressionada pela alta dos combustíveis, principalmente gasolina, e da energia elétrica).

.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Dia da gastronomia mineira tem celebração magra

O Dia da Gastronomia Mineira é celebrado todo 5 de julho, mas neste ano não haverá tanta fartura. Diferentemente de anos anteriores, a programação...

Fórum debate relações comerciais do Brasil com Liga dos Estados Árabes

Ao participar do Fórum Econômico Brasil-Países Árabes - representando o ministro da Economia, Paulo Guedes - o secretário de Comércio Exterior, Lucas Pedreira de Couto Ferraz, afirmou,...

Demanda por voos domésticos tem queda de 2,5% no Brasil em maio

A demanda por voos domésticos teve queda de 2,5% em maio, na comparação com o mesmo mês de 2019, aponta a Associação Brasileira das...