Acordar na madrugada para comer pode ser distúrbio de sono, diz médica

Acordar no meio da noite para revirar a geladeira...

James Hetfield, vocalista do Metallica, se divorcia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - James Hetfield, vocalista da...

Nova Viçosa: Vice-prefeito segue hospitalizado; prefeitura corrige informação

O vice-prefeito de Nova Viçosa, no Extremo Sul,...

Bellintani diz que negociação da SAF do Bahia está em fase de “detalhamento jurídico”

O presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, afirmou, nesta...

Prefeito de Vereda paga altos valores em diárias a si próprio

Escrito por Redação

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

O Tribunal de Contas dos Municípios, na sessão desta terça-feira (28/08), votou pela procedência da irregularidade apontada contra o prefeito de Vereda, Adalberto da Rocha Nonato, devido a recebimento de diárias em altos valores no exercício de 2011.

prefeito vereda adalberto nonato

O conselheiro José Alfredo Rocha Dias, relator do processo, solicitou representação ao Ministério Público contra o gestor, além de determinar o ressarcimento aos cofres municipais, com recursos próprios, do montante de R$ 52.090,10 recebido a título de diárias, considerado fora dos limites econômicos do município. O gestor também foi multado em R$ 5 mil. A decisão ainda cabe recurso.

De acordo com a denúncia, o prefeito percebeu diárias nos valores de R$ 400,00 e de R$ 600,00, respectivamente para deslocamentos dentro e fora do Estado da Bahia, quantias superiores ao quanto estabelecido para o Governador do Estado. Assim, o prefeito pagou a si próprio o montante anual de R$ 50.200,00, em verdadeira complementação remuneratória do quanto legalmente fixado, na medida em que o referido montante corresponde a 52,3% do total dos seus subsídios anuais, correspondentes a R$ 96.000,00, em absoluto e incontestável desacordo com os princípios constitucionais que regem a Administração Pública, essencialmente os da legitimidade, razoabilidade, moralidade e economicidade.

No amplo direito de defesa, o gestor argumentou que as distâncias do município para o Distrito Federal e para a cidade do Salvador, capital do Estado, corresponderiam a, respectivamente 1.000 e 1.600 quilômetros e que o seu município tinha carências que justificariam o seu deslocamento a tais centros de Poder, com o fito de obter recursos para equacionar problemas municipais, essencialmente os de natureza social, argumentos que não conseguiram descaracterizar as irregularidades.

.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Ex-prefeito de Caravelas foi mais uma vez denunciado no Ministério Público

O Tribunal de Contas dos Municípios, nesta quarta-feira (29/05), julgou procedente o termo de ocorrência formulado contra o ex-prefeito de Caravelas, Jadson Silva Ruas, em razão de irregularidades no...

Chico do Hotel vai retornar ao cargo de vereador em Itamaraju

A decisão é da desembargadora do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ/BA), Ivone Bessa Ramos, publicada no Diário Oficial da Justiça (DOJ), desta sexta-feira, dia 09 de novembro. Francisco Carlos...

TCM denuncia ex-prefeito de Teixeira de Freitas ao Ministério Público

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM/BA), nesta quarta-feira (16), solicitou ao Ministério Público Estadual investigar o ex-prefeito de Teixeira de Freitas, João Bosco Bitencourt, para apurar a prática de...