Líder da oposição considera “boa notícia” eventual demissão de Boris

Em comunicado, Starmer considerou que o Reino Unido "não necessita...

SAJ: Foragido por roubos é preso após ser flagrado pelo Reconhecimento Facial

Um acusado de roubos em Santo Antônio de...

Copa 2 de Julho chega as oitavas de final nesta quinta-feira

A Copa 2 de Julho chega às oitavas...

TJ-BA derruba liminar e determina retomada de licitação de ampliação da Ceasa

O presidente do Tribunal de Justiça da Bahia...

De volta à terra natal

Publicado em:

Compartilhe esse artigo

Dois moradores da cidade de Caetité, distante 757 quilômetros da capital Salvador, que veio para o município de Prado a trabalho, foi libertado de condições análogas às de escravidão em ação realizada pela secretária de desenvolvimento social.

A falta de dinheiro para voltar a cidade de origem e o constrangimento de retornar à família sem os salários prometidos e com uma clara restrição ao direito fundamental de ir e vir, levaram Agnaldo Fernandes Pereira, 48 anos e Valter Damasceno Reis, 39 anos, a procurar a  Secretaria  de Desenvolvimento Social  na Prefeitura Municipal de Prado a fazer  uma denuncia que o salário deles está retido por dois meses e  sem receber os operários, acabaram sem poder regressar a cidade de origem em Caetité (BA).

aliciado sem_dinheiro_para_retornar_cidade_de_origem

Os aliciados de Caetité chegaram a Prado e foram encaminhados para se hospedarem no distrito de Pimenteira, onde, sem dinheiro passaram a viver em condições precárias, eles não tinham dinheiro sequer para comprar cartões telefônicos e entrar em contato com seus familiares ou mesmo se locomover dentro do município.

“ A culpa é do empreiteiro, que disse que vinha fazer nosso pagamento e estamos esperando e não temos mais contato com ele, pois ele não atende o celular”, disse Valter que sem dinheiro para transporte ou alimentação, foram amparados pela prefeitura municipal de Prado, que junto com a secretaria de desenvolvimento social está providenciando a passagem de volta para a cidade de origem, onde haviam sido aliciados.

Caso semelhante ocorreu  no último dia (13/04), onde Aline Cristina Augusto, 22 anos, compareceu a Delegacia  de Polícia Civil alegando ter perdido uma bolsa contendo todos os seus documentos e sem dinheiro para retornar a sua cidade em João Monlevarde (MG). Ela foi encaminhada a Secretária de Desenvolvimento Social que providenciou passagem de volta, um policial da Polícia Militar acompanhou a turista para embarque  no terminal rodoviário de Prado para sua cidade de origem.

turista sem_dinheiro_para_retornar_cidade_de_origem

O programa executado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social  prevê o retorno daqueles que se encontram em situação de rua. Os beneficiados pela ação são os que se encontram em alto grau de vulnerabilidade, ou que estão com seus vínculos familiares e comunitários rompidos, o programa oferece o contato à comunidade de origem para fortalecer os vínculos com familiares.

.

O que você achou desse assunto?

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jovens do Adolescente Aprendiz do Prado visitam Parque Nacional do Descobrimento

Dezenas de adolescentes do município do Prado participam de atividades culturais, históricas e socioeconômicas, como parte dos objetivos propostos pelo Programa Adolescente Aprendiz, que...

APAE do Prado recebe arrecadação do Motoclube Constituintes

A APAE de Prado recebeu na tarde desta segunda-feira, 30, a doação de alimentos que foram arrecados entre os dias 20 e 21...

43ª CIPM faz a entrega dos alimentos arrecadados com a IV Corrida do Soldado

Na tarde de terça-feira (27), o Major Leão, Comandante da 43ª CIPM, na companhia do Tenente Sidney Oliveira, visitou algumas instituições filantrópicas da cidade...