Coleta seletiva passando pelas ruas de Caravelas
O mês era agosto de 2020. O desafio era implementar a coleta seletiva em Caravelas. O objetivo, contribuir para minimizar os impactos da atividade humana no meio ambiente.
Em um ano, mais de quinze toneladas deixaram de seguir para lixões, se transformando em produtos reciclados, dinheiro e renda para dezenas de famílias.
Contêineres da coleta seletiva instalados na Praça Teófilo Otoni, no centro de Caravelas
Quem desembarca na rodoviária ou passa pelas proximidades da Praça Teófilo Otoni, no centro da cidade, logo vê os coletores de lixo, identificados por cores e por tipo de materiais da coleta seletiva.
O que hoje é um projeto vitrine para muitos municípios, até um ano atrás era apenas uma ideia. Com poucos recursos e muitas dificuldades, a Secretaria de Meio Ambiente elaborou o projeto necessário para a parceria entre a Prefeitura de Caravelas e a Associação de Moradores, Marisqueiros, Pescadores, Extrativistas e Catadores do Distrito de Ponta de Areia (AMMPECPA), única associação de catadores a apresentar proposta para o chamamento público.
Separação dos resíduos sólidos na Usina de Triagem e Compostagem de Ponta de Areia
Surgia no extremo sul da Bahia a primeira coleta seletiva, implementada por um órgão público, em âmbito municipal, mantendo em pleno funcionamento o recolhimento e a seleção de materiais na Usina de Triagem e Compostagem de Resíduos Sólidos, localizada em Ponta de Areia.
O sucesso do projeto se deve, também à participação dos moradores. Eles têm um papel fundamental, porque já separam o lixo em casa, facilitando o trabalho dos coletores, que passam um dia da semana em Ponta de Areia, Barra e Caravelas, sempre no período da tarde de terça, quarta e quinta-feira, respectivamente.
Moradora levando papelão durante passagem do caminhão da coleta seletiva pelo bairro Tancredo, em Caravelas
A Secretária de Meio Ambiente, Edinéia França, principal idealizadora do projeto, comemora os resultados. “Esse primeiro ano é uma imensa vitória. Mais do que qualquer coisa, a coleta seletiva muda o destino tradicional do lixo, diminui os impactos para o meio ambiente, ao passo que eleva o desenvolvimento humano, a educação ambiental e a cultura de nosso povo”, argumentou.
Segundo o Prefeito de Caravelas, “o povo caravelense tem uma elevada consciência ambiental e isso ajudou muito o poder público a implementar e a manter essa grande estrutura em funcionamento. O que se tem hoje é o município como um dos poucos no país com políticas públicas eficazes e eficientes com vista à sustentabilidade ambiental”, destacou.

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário

SEJA UM PARCEIROWhatsApp do PrimeiroJornal (73) 99989-6889
Você repórter, seu espaço para participar com vídeos, fotos ou depoimentos