Apresentação dos Mouros e Cristãos em Alcobaça
Por Osmar Guarneles (o 'Fera da Galera')
Em tempo de pandemia e dos riscos de contágio e propagação do novo coronavírus as festividades precisam ser reinventadas.
A festa de São Sebastião, comemorada todos os anos em Alcobaça, nos dias 19 e 20 de janeiro, não teve os veteranos, os capitães de sempre. No lugar deles, seus descendentes, os mais jovens.
O evento foi organizado pelo Comitê Especial de Cultura, órgão ligado à Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Esporte de Alcobaça.
As apresentações aconteceram no dia 19 de janeiro na Rua do Porto, Centro Histórico e nos bairros (Novelo e São Benedito). No dia de São Sebastião, acontece a festa religiosa.
Batalha dos Mouros e Cristãos
Como em anos anteriores, a festividade foi realizada pela Paroquia de São Bernardo, com apoio de Cheganças, Marujada e Embaixada da Bahia, Prefeitura Municipal de Alcobaça e da Câmara Municipal de Vereadores, em especial, dos vereadores Gó da Colônia, Otoniel Muniz, Bruno de Betinho e Irmão Leandro.
OS MOUROS E CRISTÃOS – faz parte das manifestações folclóricas, introduzidas no país pelos portugueses na época do Brasil Colônia. A luta reflete as guerras na Idade Média entre os cristãos e os mouros (povos árabes, habitantes do Norte da África, principalmente o Marrocos) na cruzada para dominar a Espanha e Portugal durante muitos séculos.
Após a Idade Média, o termo “mouro” – em português – passou a ser sinônimo de muçulmano (seguidor de Maomé e do islamismo).
Em Alcobaça, a luta entre os mouros e cristãos é encenada como o Bem e o Mal. Os alcobacenses se referem à essa manifestação como “luta de mouros e cristãos”.

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário