Bernardo Olívio (Ex-Prefeito de Alcobaça)

Parece até notícia repetida, mas é uma nova punição ao ex-prefeito e ao modo de gestão que durou quatro anos e dificultou a vida dos alcobacenses.

Na sessão desta quarta-feira (10/04), o Tribunal de Contas dos Municípios julgou parcialmente procedente o Termo de Ocorrência lavrado contra o ex-prefeito de Alcobaça, Bernardo Olívio Firpo Oliveira, acusado de autorizar despesas exageradas com diárias, locação de automotores/transporte escolar e locação de máquinas pesadas, por meio da empresa D. S. Serviços de Locações LTDA – ME.

O contrato foi celebrado no exercício de 2016, no valor total de R$2.414.082,00. O relator do processo, conselheiro José Alfredo Rocha Dias, determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual (MP/BA) contra o gestor para que seja apurada a prática de ato ilícito.

Foi aprovada pelo conselheiro, ainda, a determinação de ressarcimento aos cofres municipais do montante de R$949.390,80, com recursos próprios, relativo aos 71 processos de pagamento não encaminhados ao TCM. Além disso, foi imputada multa no valor de R$8 mil.

De acordo com a relatoria, ocorreu falta de dotação orçamentária adequada ou suficiente para a plena realização da contratação. A Inspetoria Regional pontuou que, no período em que foi celebrada a prorrogação do contrato, considerando que o valor contratado para o período iniciado em 01/04/2016 foi de R$2.013.600,00, constatou-se uma divergência de R$1.464.970,53. Além disso, não teria ocorrido pesquisa de mercado ou critérios para estipular os serviços a serem executados, com indicação da fonte e metodologia ou nome e endereço de, pelo menos, três empresas consultadas, conforme previsto em Lei.

Em sua defesa, o ex-gestor afirmou que tais pesquisas haviam sido encaminhadas junto ao processo original, o que de fato ocorreu relativamente ao processo licitatório original. Entretanto, no caso sob análise, não conseguiu comprovar que também houve cotação de preços para realização do aditivo contratual.

O termo aditivo em questão também não teria sido publicado na imprensa oficial, conforme estabelecido pela Lei Geral de Licitações e Contratos Administrativos. O ex-prefeito não apresentou defesa a respeito desta situação, restringindo-se a afirmar que “estaria realizando diligências para buscar documentos aptos a confirmar a publicação questionada”. O relatório técnico apontou ainda que ocorreram falhas na especificação adequada dos locais beneficiados pelos serviços, uma vez que a descrição “zona urbana” contida nos outros processos é bastante genérica.

Segundo o relator, o ex-gestor teria permitido ou autorizado a realização de pagamentos em desacordo com a previsão contratual que estabelece prévia apresentação de relatórios mensais de atendimento das despesas efetuadas acompanhados de algumas certidões. Novamente o Gestor afirmou que “estaria encaminhando, em anexo a documentação comprobatória”, porém, não apresentou quaisquer documentos processual.

Cabe recurso da decisão.

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário

- VOCÊ REPÓRTER - Envie fotos, vídeos e informações sobre o que você viu.
Whatsapp (73) 99989-6889 | Email: primeirojornal@hotmail.com