Já era madrugada desta segunda-feira (01) quando Relves Mendes da Silva (26) desistiu de tirar a própria vida, vencido pela fome, pela sede (depois de quase um dia sem comer e sem beber água), pelo sono e cansaço, provocados por mais de doze horas em cima de uma torre de telefonia, localizada nas proximidades da Praça 2 de Julho, região central da cidade de Itamaraju.

A luta para convencer o jovem a desistir de se atirar do alto de quase 50 metros torre abaixo, contou com o trabalho de equipes do SAMU, psicólogos, familiares (pai e mãe) e de policiais militares da 43a, sob o comando de Major Robson Lopes Calmon, presente no local para coordenar as negociações.

Relves escalou o ponto mais alto da torre de telefonia depois de sofrer um surto psicótico, provocado pelo fim do relacionamento com sua mulher.

Área isolada e muita apreensão durante todo o tempo em que o jovem ameaçou se jogar. Correntes de oração e de apoio para o jovem desistir do intento suicida.

Bombeiros do 18ºGBM/Teixeira de Freitas e um bombeiro civil tentaram manobras de resgate, mas tiveram o trabalho dificultado pela geografia no entorno da torre e da resistência do suicida em não permitir a aproximação das equipes de resgate.

Sem muito a ser feito, a principal estratégia foi convencer o jovem a retomar o senso de realidade e afastar a ideia de tirar a própria vida, o que só ocorreu por volta das 04h da manhã desta segunda-feira (01), depois de 13 horas de negociação.

O fato ocorreu no último dia de setembro, mês que marca a luta contra o suicídio.

No chão, as equipes comemoraram a vitória pela vida e por um desfecho com final feliz.

Fotos Alexandro Vieira

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário