Os envolvidos na ação foram afastados nessa quarta-feira (6). A PM-BA informou que “as punições penais e administrativas decorrentes do uso desmedido da força variam em função do resultado provocado e no caso, em especial, o código penal militar prevê uma pena que varia de três meses a um ano de detenção”.

O caso aconteceu no último domingo (03) com agentes do 18º Batalhão de Polícia Militar (BPM/Centro Histórico), no bairro do Santo Antônio Além do Carmo, em Salvador. A revolta dos moradores chamou atenção e muitos começaram a gravar as cenas, durante a abordagem, que está sendo investigada pela corregedoria da corporação.

O vídeo gravado por um turista alemã mostra quatro policiais abordando um jovem, acusado de trazer consigo drogas. O jovem alega ter sido apenas um cigarro de maconha. A população em volta da ocorrência começa a pedir para o jovem não entrar na viatura. Quatro policiais tentam colocá-lo na viatura, debaixo de golpes de cassetete, socos e tapas.

Por conta da intensificação da ação dos militares, as pessoas fazem um coro e chamam os policiais de covardes. Em um momento, um dos policiais envolvidos na operação parte para cima de uma mulher, que estava no grupo que protestava contra a ação. Ela acabou recebendo vários tapas no rosto e puxões de cabelo.

O PM chega a arrastar a mulher pelos cabelos (numa cena que lembra a época das cavernas, quando os machos arrastavam as fêmeas pelos cabelos). Várias pessoas tentam evitar as agressões afirmando que a mulher estava grávida. O colete do policial cai no chão.

O vídeo tem duração de pouco mais de 11 minutos e não mostra como terminou a operação, alvo da investigação na Corregedoria da Polícia Militar. A Polícia Civil informou que homem alvo da ação foi conduzido à unidade policial e assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por uso de droga e resistência à prisão. Após ter sido ouvido, foi liberado.

Em nota, a instituição disse que “a PMBA apura com rigor todo comportamento policial militar que fuja à técnica, pois casos isolados não podem comprometer o bom desempenho de toda a tropa”.

Conforme a PM, os policiais envolvidos nas agressões foram afastados das atividades operacionais e encaminhados para o setor de Promoção Social, onde terão acompanhamento psicológico.

Ainda em nota, a PM afirma “que todo comportamento de integrantes da corporação que fuja à técnica policial será apurado com rigor, pois a PM não coaduna com ações desta natureza, e os casos isolados não podem comprometer o bom desempenho da tropa baiana”.

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário