Ciclone com ventos de mais de 100 km/h deve atingir a região Sul a partir desta terça

O Ministério do Desenvolvimento Regional alertou na noite desta...

Defesa de Doria deve ir ao TSE caso prévias do PSDB não sejam respeitadas

A defesa de João Doria deve recorrer ao Tribunal...

Piloto Bruno Jacob garante 3º lugar em etapa do Mundial de Motosurf Freeride

O piloto baiano de motosurf Bruno Jacob foi...

Criminoso que trafica ‘haxixe’ para classe alta de Salvador é colocado em liberdade

Um traficante que vendia cigarros de haxixe por...

Pescadores e marisqueiras bloqueiam canal de barcaças da Fíbria

Publicado em:

COMPARTILHE ESSE ARTIGO:

Manifestantes estão desde a madrugada deste sábado, dia 1º de julho, bloqueando o Canal do Tomba, local por onde navegam as barcaças que transportam eucalipto para a indústria de celulose da Fíbria, em Aracruz/ES.

O protesto conta com a participação de pescadores e marisqueiras integrantes da Reserva Extrativista de Cassurubá, responsável pela proteção da diversidade ambiental existente em parte dos municípios de Caravelas, Nova Viçosa e Alcobaça, onde existem cerca de 2.000 pescadores e marisqueiras artesanais.

A empresa de celulose Fibria realiza a dragagem do Canal do Tomba. Segundo os manifestantes, este processo promove a degradação ambiental no território ao liberar sedimentos que contribuem para o assoreamento do ambiente estuarino, carreamento de material lamoso às praias e recifes de corais, soterramento dos bancos camaroeiros, alteração na dinâmica hídrica estuarina e limitação às áreas tradicionais de pesca.

Por conta deste impacto ambiental, a Fibria Celulose se comprometeu em cumprir uma série de condicionantes determinadas pelo IBAMA, devido aos impactos na Zona de Amortecimento da unidade de conservação federal. O Programa de Apoio às Atividades Pesqueiras, com financiamento de projetos em caráter indenizatório às comunidades tradicionais da Resex de Cassurubá, é uma dessas condicionantes.

A queixa dos manifestantes estaria, justamente neste ponto. Pescadores e marisqueiras acusam empresa de consultoria, contratada pela Fíbria, de cooptar falsas lideranças e associações de fachada, no intuito de dividir, enfraquecer e manipular a participação popular nos processos decisórios da Reserva Extrativista.

A Fíbria Celulose ainda não se manifestou.

Em sua página social, o deputado estadual, Marcelino Galo (PT), manifestou apoio à causa dos pescadores e marisqueiras que vivem no entorno da Reserva Extrativista de Cassurubá. Veja abaixo:

.

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Caravelas realizou evento para agradecer e homenagear o trabalho de enfermeiros e técnicos de enfermagem

Durante a pandemia, os enfermeiros estavam na linha de frente, no monitoramento, na proteção e na vacinação dos caravelenses. Foram dias difíceis, exaustivos, de...

Caravelas reúne produtores rurais para auxiliar no acesso à crédito e à técnicas de melhoramento da produtividade rural

A primeira reunião aconteceu com produtores de diversas associações, boa parte delas localizadas na região de Juerana, um dos maiores distritos do município. A iniciativa...

Caravelas vai contar com espaço dedicado ao trabalho com as baleias jubarte

A presença desses animais na região de Abrolhos, no município de Caravelas, impulsiona a visitação turística, gerando oportunidade para empresas e trabalhadores do turismo...