Deputado estadual propõe honraria a empresa acusada por CPI de emitir fake news

Foto: Otacílio Barbosa/Alerj ...

TVE irá transmitir Fluminense de Feira x Jequié pela 1ª rodada da Série B do Baiano

A partir do próximo domingo (22) a bola...

Aécio Neves, por mais dinheiro para se reeleger e por Bolsonaro

Minas está onde sempre esteve, assim como o deputado...

Policiais acusados de matar preso dentro de delegacia são demitidos

Publicado em:

COMPARTILHE ESSE ARTIGO:

A demissão dos três policiais foi publicada nesta quinta (15) no Diário Oficial; em maio, eles foram condenados à prisão pela Justiça.

Os três policiais civis acusados de torturar e matar um detento dentro da Delegacia de Porto Seguro foram demitidos pelo governo do estado. A demissão de Otávio Garcia Gomes, Joaquim Pinto Neto e Robertson Lino Gomes da Costa foi publicada no Diário Oficial do Estado nesta quinta-feira (15), quase cinco anos depois do crime, ocorrido em 14 de julho de 2012.

A demissão ocorre pouco mais de um mês depois de eles tem sido condenados à prisão, em decisão de primeiro grau, pelo juiz André Marcelo Strogenski. Em decisão judicial do último dia 9 de maio, Otávio e Robertson foram condenados a 16 anos, nove meses e 18 dias de prisão, enquanto Joaquim teve pena aplicada de seis anos, três meses e 14 dias de reclusão. Na decisão, o juiz também determinou a perda do cargo dos três acusados e a possibilidade de seu exercício pelo dobro da pena aplicada.

Além deles, também foi condenado a 14 anos, nove meses e 18 dias de prisão o filho de Robertson, Murilo Bouson de Souza Costa, que também participou da ação. Robertson e Joaquim era investigadores, enquanto Otávio era chefe do Serviço de Investigação. Não há informações se eles respondem ao processo em liberdade.

Os três policiais civis acusados de torturar e matar um detento dentro da Delegacia de Porto Seguro foram demitidos pelo governo do estado. A demissão de Otávio Garcia Gomes, Joaquim Pinto Neto e Robertson Lino Gomes da Costa foi publicada no Diário Oficial do Estado nesta quinta-feira (15), quase cinco anos depois do crime, ocorrido em 14 de julho de 2012.

A demissão ocorre pouco mais de um mês depois de eles tem sido condenados à prisão, em decisão de primeiro grau, pelo juiz André Marcelo Strogenski. Em decisão judicial do último dia 9 de maio, Otávio e Robertson foram condenados a 16 anos, nove meses e 18 dias de prisão, enquanto Joaquim teve pena aplicada de seis anos, três meses e 14 dias de reclusão. Na decisão, o juiz também determinou a perda do cargo dos três acusados e a possibilidade de seu exercício pelo dobro da pena aplicada.

Além deles, também foi condenado a 14 anos, nove meses e 18 dias de prisão o filho de Robertson, Murilo Bouson de Souza Costa, que também participou da ação. Robertson e Joaquim era investigadores, enquanto Otávio era chefe do Serviço de Investigação. Não há informações se eles respondem ao processo em liberdade.

Por Correio

.

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário

Compartilhe esse artigo:

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Ex-BBB Rodrigo fala pela primeira vez após alta: ‘Agora eu faço aniversário 2 vezes’

O ex-BBB Rodrigo Mussi, 36 anos, divulgou uma carta nas redes sociais nesse domingo (15). Essa foi a primeira postagem do empresário após...

Casal paga antecipado e leva golpe de garota de programa em Conquista

Uma tentativa de sexo a três em Vitória da Conquista, na Bahia, virou caso de polícia na última sexta (13). Um casal teria...

Perseguição policial provoca tiroteio na Avenida Centenário

Um tiroteio aconteceu na noite deste sábado (14), na região da Avenida Centenário, em Salvador. A troca de tiros foi resultado de uma...