Prado hoje é reconhecida pela Bahiatursa como o quarto destino da Bahia, além disso é possível que as próximas linhas publicada pela revista Viajar, coloquem os seus conhecimentos sobre o descobrimento do Brasil à prova.

bahia ecofeira2

 

Esqueça as aulas de história que defendiam que Pedro Álvares Cabral desembarcou em Porto Seguro no dia 22 de abril de 1500, depois de avistar o Monte Pascoal. Geograficamente falando, tal façanha seria impossível. A teoria mais provável é a de que o debut português em terras brasileiras aconteceu, na verdade, em Prado, a 210 quilômetros dali. Pelo menos é o que diz a carta escrita por Pero Vaz de Caminha ao aportar na costa, que descreve em detalhes uma paisagem condizente com a da Barra do Caí, uma das praias esparramadas pelos 84 quilômetros de litoral dessa pequena cidade do sul da Bahia.
Feito o reparo histórico, Prado ganha novos contornos aos olhos dos visitantes, além de atrações ligadas ao seu passado. A cidade de 30 mil habitantes tem a melhor infraestrutura turística da Costa das Baleias (nome dado à região) e os restaurantes mais badalados. Também é o quarto maior polo hoteleiro da Bahia, com sete mil leitos – atrás apenas de Porto Seguro, Salvador e Ilhéus. Se não bastasse, ainda preserva uma atmosfera colonial, com suas ruas de pedras e o casario do século 19, que recebeu mãos de tinta com cores vibrantes e virou cartão-postal.
No coração de tudo isso está a bem preservada Igreja da Matriz da Nossa Senhora da Purificação, construída em 1876 de frente a uma pracinha onde, todos os dias, moradores assistem ao tempo passar sem pressa. No clima de “meu rei” para cá, “meu rei” pra lá, muitos aproveitam para vender redes, artesanato e lanchinhos rápidos nas praias mais próximas, como a do Centro e a Novo Prado. São nessas areias que as famílias com crianças estendem as cangas e aproveitam a calmaria do mar.
Os cenários mais fascinantes, porém, começam a se revelar a partir da Praia do Farol, sete quilômetros ao norte do centrinho. Esse é o ponto em que aparecem as primeiras falésias, ainda em tons acinzentados. Mesmo que não vá banhar-se nas águas do riacho que a entrecorta, vale uma parada no Farol da Marinha para clicar as melhores fotos da costa de Prado. Ao lado dela fica a Praia do Tororão, que tem agito garantido enquanto o bar Tonaboa está aberto, das oito horas da manhã às cinco da tarde. Os pequeninos adoram ir até lá em busca das tartarugas que visitam o Tororão quando a maré sobe.
Menos badalada, a Praia de Japara Grande é um segredo bem guardado a 26 quilômetros de Prado, dividido apenas entre os turistas que a procuram para fazer o voo de parapente do alto de sua falésia. 
Seguindo 14 quilômetros no sentido sul de Prado, chega-se à Praia de Guaratiba, que fica de frente ao Condomínio Portal de Guaratiba. O acesso é prioritário para quem está hospedado em uma das casas de veraneio e nas sete opções de hotéis instalados dentro do complexo, como a Pousada Sabor Tropical e o Villagio Guaratiba Resort. A estrutura é a de uma minicidade, com restaurantes, farmácia, supermercado, lojinhas, além de outra unidade da Cabana Tonaboa, aquela da praia do Tororão.
O que garante a fama de Guaratiba é o passeio de escuna até os Recifes das Guaratibas e os Corais de Timbebas, situados a cinco quilômetros da costa. A embarcação sai do porto de Prado todos os dias pontualmente às sete horas da manhã, enquanto a maré ainda está alta. O retorno em terra firme só acontece quando a água volta a subir, quase seis horas depois. Assim, há tempo suficiente para se dedicar ao mergulho livre com snorkel e apreciar corais aflorados, tartarugas-marinhas e espécies de peixes como budião, barracuda, sargentinho e frade. No caminho de volta, a água esverdeada do mar dá lugar a duas tonalidades bem visíveis de marrom – trata-se do encontro do Rio Jucuruçu com o oceano que, para muitos, lembra o fenômeno que ocorre com os rios Negro e Solimões, no Amazonas.

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário