Na manhã desta sexta-feira (18/06) o Sr. Pedro esteve no Complexo Policial de Itamaraju informando o crime da falsa ajuda, usado em agencias bancárias para ludibriar clientes, que têm seus cartões bancários trocados por outros falsos e suas contas bancárias saqueadas.

O crime que já é conhecido pelas autoridades policiais e instituições bancárias, continua fazendo vítimas. Os alvos, quase sempre, são aposentados e pessoas com pouca prática no uso de máquinas eletrônicas.

Segundo o Sr. Pedro, na manhã da última quinta-feira (17/06), por volta das 09:00 da manhã, esteve na agência do Banco do Brasil de Itamaraju, para imprimir o saldo de sua conta bancária. Lá tinha depositada a quantia de R$ 5.159,00. Quando se aproximou do caixa eletrônico, não teria encontrado nenhum agente bancário de auxílio, como de costume; momento oportuno usado por um homem (aparentando 40 anos, estatura mediana baixa) para colocar seu intento criminoso em prática. Ele teria se aproximado da vítima e lhe oferecido ajuda. Inocentemente, o aposentado afirma ter aceitado. Esta iniciativa era a esperada pelo bandido que trocou o cartão por outro falso para, momentos depois, efetuar saques e transferências bancárias do dinheiro existente na conta, do inocente aposentado.

Em sua conta foram realizados dois saques: um no valor de R$1.000,00 e outro de R$600,00, respectivamente, em diferentes dias, além de transferências no valor de R$ 2.000,00.

{xtypo_quote}SDC10547_620x400_21.06.2010Ele apenas me ajudou a usar a máquina e só confiei porque tinha um segurança do banco próximo. Nunca imaginei que isso pudesse acontecer comigo. Eu não lhe confiei a senha. Não sei como ele conseguiu furtar meu dinheiro. No momento em que foi solicitada a senha, o homem, se virou. Eu digitei a senha, o saldo foi impresso, peguei o cartão, coloquei no bolso e fui embora. Quando voltei hoje para fazer um saque, o cartão não funcionou. Quando verificaram, fui informado de que aquele não era meu cartão e quase todo o meu dinheiro havia sido furtado. Procurei a polícia e espero que consiga reaver o dinheiro que estava guardando para fazer o túmulo de minha esposa, falecida há um ano. (Sr. Pedro){/xtypo_quote}

SDC10553_620x400_21.06.2010SDC10554_620x400_21.06.2010

Estivemos na agência bancária onde ocorreu o crime para questionar acerca da solução e da identificação das pessoas que receberam os valores. Em nome do Banco do Brasil de Itamaraju ouvimos, de Ernandes Jardim, que é difícil apontar culpados, justificando que muita gente acaba por ser usada para receber valores transferidos, sem nenhuma intenção criminosa, conforme já há inúmeros registros nas instituições bancárias.  Acrescentou que os bancos têm realizado intenso trabalho para inibir e impedir estas práticas delituosas.

{xtypo_quote}Quando as pessoas vêm às agências bancárias, depositam não apenas seus valores, mas também a confiança. Em respeito à isto há, nos bancos grande preocupação com a segurança. Em especial, na sessão de caixa eletrônico, são mantidos agentes para auxiliar o uso destes equipamentos, de forma a impedir que estranhos com más intenções se aproveitem da inocência de pessoas para furtar-lhes seus valores. Infelizmente, há pessoas que vêm, ao banco, acompanhadas por algum parente ou conhecido e não conseguimos identificar quando as pessoas, que os acompanham, lhe são estranhas. Este senhor, em específico, teve a quantia de R$ 1.600,00 retirada através de saque e outros R$ R$ 2.000,00, através de transferência bancária. Os valores transferidos vão retornar à sua conta, mas a outra quantia, retirada em espécie, não temos como ressarcir. Muita gente questiona os valores limitados ao saque. Momentos como este servem de reflexão. O banco tem um departamento para identificar fraudes bancárias. Este crime será investigado e, se os culpados, forem identificados, serão punidos. (Ernandes Jardim) {/xtypo_quote}

O que você achou desse assunto? Deixa aqui seu comentário